Com S. Lucas na escola do Evangelho

 

Com o I Domingo do Advento, a 3 de Dezembro,abre o novo ano litúrgico 2006-2007 (Ano C), durante o qual S. Lucas vai ser o Evangelista mais lido nos Domingos e Festas. Continuarei a comentar os textos do Evangelho, com algumas referências às outras Leituras bíblicas do mesmo dia.

 

 

 

O Evangelho de Lucas lido no Natal

 

»» São Lucas é quem transmite o anúncio mais explícito do NASCIMENTO DO SENHOR: «Nasceu-vos hoje, na cidade de David, um Salvador, que é Cristo Senhor.» E os primeiros destinatários deste anúncio, feito pelos anjos, são «uns pastores que viviam nos campos e guardavam de noite os rebanhos».

 

Este “hoje” bem pode ser considerado o primeiro dia do resto da História da Salvação, pois nele se cumprem todas as promessas e profecias: a de Gabriel a Maria, pois ela «teve o seu Filho primogénito. Envolveu-o em panos e deitou-O numa manjedoura»; a de Miqueias, ouvida ontem, pois isto aconteceu em Belém, a cidade de David, aonde José e Maria tinham subido, da Galileia, para se recensearem; e a de Isaías, proclamada em cada noite de Natal: «um menino nasceu para nós, um filho nos foi dado… e será chamado Príncipe da paz» (1ª Leitura: Is 9,1-6), pois os anjos cantam na campina, quando do nascimento de Jesus: «Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados» (Evangelho: Lc 2,1-14).

 

Se foi mesmo a 25 de Dezembro (pouco provável!), ou mais na Primavera, pouco interessa. Se fosse importante, Lucas tê-lo-ia dito. Mas há outras duas coisas importantes, no texto de Lucas: o lugar dado a Maria (já sublinhado na Imaculada Conceição e no IV Domingo), mulher simples de uma cidade insignificante, e aos pastores. Ao escrever para os gentios, Lucas não quis que eles se sentissem excluídos da salvação trazida por Jesus; por isso privilegiou os pastores, tidos por desprezíveis e malditos pelas elites sociais e religiosas da época por viverem à margem da sociedade e não frequentarem a sinagoga para estudar a Lei ou celebrar o Sábado. Um estímulo ou uma lição para nós, hoje: se desesperamos da salvação, ou se presumimos ter a salvação já garantida.

 

Permita-me esta sugestão:
após reflectir antecipadamente os textos de hoje, faça em sua casa (ou na varanda ou alpendre com vista para a rua) um PRESÉPIO com os elementos e personagens neles referidos. E não dê ao pai-natal o lugar que lhe é dado pelo comércio. Natal é o Nascimento de Jesus, Salvador de todos os povos. Sem Ele no centro das celebrações, o dia pode não passar de um Carnaval antecipado e de mau gosto.

Frei Lopes Morgado

 

publicado por catequesebarra às 21:09